Série Comunicação Médica: ainda sobre decisão compartilhada

Série Comunicação Médica: ainda sobre decisão compartilhada

featured image

“Frequentemente me perguntam qual é a primeira coisa que você realmente quer dizer para uma pessoa iniciando na medicina ou ingressando nos cuidados paliativos. Qual é o principal compromisso? E eu tenho certeza que a resposta é simplesmente: ‘Escute seus pacientes’. Eles irão te contar. Eles irão contar o que eles precisam. Eles irão contar quem são e o que conseguirão alcançar…” (Cicely Saunders)

Em mais um texto da Série Comunicação Médica, visitaremos novamente o conceito de decisão compartilhada, anteriormente abordado. O dia a dia do médico é repleto de demandas e decisões a se tomar. Quando encontramos um paciente grave, a frequência dessas decisões aumenta ainda mais e são elas que irão definir o sucesso ou fracasso terapêutico. No campo da saúde, essas decisões são complexas pois envolvem uma quantidade enorme de variáveis que devem ser levadas em consideração.

Leia também: Série Comunicação Médica: negociação de margem estreita

As decisões vão desde a escolha de exames para se chegar a um diagnóstico passando por escolhas de tratamento levando em consideração prognóstico, ocorrência de efeitos adversos, probabilidade de alcançar o efeito desejado, etc. Então, o que é decisão compartilhada? Quem são os envolvidos no processo de decisão?

O conceito de decisão compartilhada consiste “na construção de um relacionamento entre profissionais de saúde, pacientes e seus familiares, caracterizada pela presença de um processo de diálogo que conduza à clareza suficiente sobre as decisões que precisam ser tomadas, sobre as opções existentes e suas consequências prováveis, riscos, benefícios e incertezas, bem como sobre os valores e preferências dos pacientes relacionados a tais opções” (Bakitas, 2011).

Desta forma, com o diálogo contínuo, pacientes e profissionais de saúde podem chegar a um consenso sobre a melhor opção a seguir, tendo em vista tanto as questões técnicas quanto as preferências individuais.

Cicely Saunders, enfermeira, médica e assistente social, pioneira nos cuidados paliativos nos traz o conceito de escuta compassiva e afirma que ouvindo nossos pacientes, aprendendo sobre seus gostos e preferências, estaremos indo em direção ao verdadeiro alívio do sofrimento e preservação da dignidade. A perspectiva do paciente sobre seus valores e objetivos são essenciais para saber quais abordagens poderão contribuir de fato para o alívio do sofrimento e para que o planejamento terapêutico seja proporcional.

Recentemente, o Comitê de Bioética da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP) e a Comissão Permanente de Cuidados Paliativos da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) emitiram em conjunto diretivas a respeito do processo de tomada de decisão. Este documento afirma que o processo de tomada de decisão em cuidados paliativos deve ser construído com base do diálogo claro entre o paciente/familiares e profissionais da saúde pressupondo que todas as dúvidas tenham sido esclarecidas, que o paciente tenha sido ouvido com compaixão e que a decisão final tenha sido feita em consenso levando em consideração aquilo que é mais valioso para o paciente.

Afirma também que o processo de decisão compartilhada exige um esforço contínuo, podendo ser recalculado e mudado de acordo com as respostas às terapias propostas ou mudanças de contexto.

O processo de decisão compartilhada é a estrutura de uma relação ética entre os indivíduos, respeitando suas preferências e autonomia. Devemos lembrar que no final das contas, todos os sujeitos envolvidos nesse processo visam o mesmo objetivo: o bem estar físico, psíquico e espiritual.


Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED:


Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:


7 dias grátis com o Whitebook

Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.


Acesso gratuito ao Nursebook

Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.


Acesso gratuito Fórum

Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.


Acesso ilimitado

Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos
e revisados por especialistas


Teste seus conhecimentos

Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida


Conteúdos personalizados

Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados
por especialidades

Selecione o motivo:

Errado

Incompleto

Desatualizado

Confuso

Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Autor

Médica formada pela Unigranrio, residência em Clínica Médica pelo Hospital Federal dos Servidores do Estado (HFSE). Residente de Geriatria e Gerontologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Editora Médica Associada da PEBMED

Referências bibliográficas:
Ícone de seta para baixo

  • Bakitas M, Kryworuchko J, Matlock DD, Volandes AE. Palliative medicine and decision science: the critical need for a shared agenda to foster informed patient choice in serious illness. J Palliat Med. 2011 Oct;14(10):1109-16. doi: 10.1089/jpm.2011.0032. Epub 2011 Sep 6. PMID: 21895453; PMCID: PMC3236099. 

Vidal, Edison Iglesias de Oliveira et al. Posicionamento da ANCP e SBGG sobre tomada de decisão compartilhada em cuidados paliativos. Cadernos de Saúde Pública [online]. 2022, v. 38, n. 9 [Acessado 27 Dezembro 2022], e00130022. Disponível em: . Epub 23 Set 2022. ISSN 1678-4464. https://doi.org/10.1590/0102-311XPT130022. 

Read More

Post a Comment

Previous Post Next Post